Archives for March 2016

E.E.: Princípio e Fundamento V

1

/…/ Pelo que é necessário tornarmo-nos indiferentes a respeito de todas as coisas criadas em tudo aquilo que depende da escolha do nosso livre-arbítrio, e não lhe é proibido. /…/”

Tema: “Apego”

Mais uma vez coisas neste caso não significam apenas objetos mas realidades, pessoas, ideais, etc.

O espírito desta passagem do texto do Princípio e Fundamento não nos indica uma atitude de “não quero saber”, em que devemos voltar costas, desresponsabilizarmo-nos, mas sim de “liberdade” em relação às coisas que nos rodeiam, de modo a que consigamos ganhar distância e percebermos qual a vontade do Pai para nós em cada momento e situação da nossa vida.

Leitura proposta: Ageu 1:9 (Chamada para construir o Templo)

«Vocês esperavam muito, mas, eis que veio pouco. E o que vocês trouxeram para casa eu dissipei com um sopro. E por que o fiz?”, pergunta o Senhor dos Exércitos. “Por causa do meu templo, que ainda está destruído enquanto cada um de vocês se ocupa com a sua própria casa.»

Pistas:

  • A expectativa (espera de algo ou de alguma atitude) conduz-nos rapidamente ao apego. A repulsa ou fundamentalismo face a algo também.

    1. Procurar identificar as coisas às quais me sinto apegado, pela positiva, que quando não respondem às minhas expectativas ou me são retiradas me fazem sofrer, ou pela negativa, que me fazem assumir posições ou criar padrões de comportamento na vida que me toldam o discernimento ou não me deixam avançar no caminho do bem.

    2. Em que medida estes apegos condicionam o meu crescimento e papel ativo na construção do Reino de Deus já aqui na Terra?

    3. Que estratégias possíveis encontro para

Graças pela Vida do Pe Carlos!!

HPIM4896

Para nós é sempre muito inspirador e ajuda-nos a ir mais longe.

Muitos Parabéns Padre Carlos!!! Damos Graças pela sua Vida!

E.E.: Princípio e Fundamento IV

P5080482

/…/ E as outras coisas sobre a face da terra são criadas para o homem, a fim de ajudá-lo a alcançar o fim para que foi criado. Donde se segue que há de usar delas tanto quanto o ajudem a atingir o seu fim, e há de privar-se delas /…/”

Tema: “Uso das coisas tanto quanto”

Coisas neste caso não significam apenas objetos mas realidades, pessoas, citações, etc.

Leitura proposta: Lc 12, 16-34 (Mau uso dos bens, acumulação de riqueza e providência divina)

«16 A seguir apresentou-lhes esta parábola: «A quinta dum certo rico tinha dado uma grande colheita.

17 E o rico pôs-se a pensar assim: “Que hei de eu fazer? Não tenho onde guardar a minha colheita!

18 Já sei: deito abaixo os celeiros e faço outros maiores, onde guardarei o trigo e todos os meus bens.

19 Depois poderei dizer para comigo: És feliz! Tens em depósito tantos bens que te vão dar para muitos anos. Não te rales: come, bebe e diverte-te.” 20 Mas Deus advertiu-o: “Louco, esta noite vais morrer, e o que tens guardado para quem será?”» 21 Jesus concluiu: «Assim acontecerá àqueles que só amontoam riquezas para si, mas que não são ricos aos olhos de Deus.» 22 E continuou a falar aos discípulos: «É por isso que eu vos digo: não andem preocupados com o que hão de comer, nem com a roupa de que precisam para vestir. 23 A vida é mais do que a comida e o corpo é mais do que a roupa.

24 Reparem nos corvos: nem semeiam, nem colhem, nem têm despensas, nem celeiros, mas Deus dá-lhes de comer. Ora vocês valem muito mais do que as aves. 25 Quem é que, por mais que se preocupe, poderá prolongar um pouco o tempo da sua própria vida? 26 Portanto, se nem as coisas mais pequenas são capazes de fazer, por que se preocupam com as outras? 27 Reparem como crescem os lírios que não fiam nem tecem. Contudo, digo-vos que nem o rei Salomão, que era riquíssimo, se vestiu como qualquer deles. 28 Ora se Deus veste assim as plantas, que hoje estão no campo e amanhã são queimadas, quanto mais vos há de vestir ó gente sem fé? 29 Portanto, não estejam preocupados nem inquietos com o que hão de comer e beber. 30 Os pagãos é que se preocupam com tudo isso, mas o vosso Pai sabe muito bem do que precisam. 31 Procurem primeiro o reino de Deus que tudo isso vos será dado.» 32 Jesus continuou: «Não tenham medo, pequeno rebanho! O vosso Pai achou por bem dar-vos o seu reino. 33 Vendam o que têm e deem o dinheiro aos pobres. Arranjem bolsas que nunca se estraguem e depositem no Céu uma riqueza que não se esgota. Ali não chegam os ladrões, nem a traça.

34 Pois onde tiver a vossa riqueza, aí terão o coração.»

Pistas:

  1. Nestes 15 dias vou procurar atender às realidade à minha volta, vou procurar saboreá-las durante este tempo, tirar todo o partido delas (pessoas, natureza, música, teatro, arte em geral, etc);

  2. Quais são as realidades que me ajudam a chegar a Deus e quais são aquelas que me prejudica